domingo, 8 de julho de 2012

Quando o homem parou de cantar

De súbito,o cantor calou-se, sem saber que, consigo, calava a rua. As janelas, abertas para sua canção, cerraram-se por dentro, escondendo uma saudade. E eu, que ouvia a cantoria ao longe, busquei uma nota no silêncio da noite, mas não encontrei nada – apenas minha vontade de escutar...
O cantor calou porque pensava não ser ouvido... Coitado! Não sabia que a rua, parecendo dormir, na verdade, cantava com ele.

Um comentário:

Ismael Alves disse...

Muito massa o texto!